sexta-feira, 14 de abril de 2017

A mãe dos meus filhos e o fim de um sonho.

family, father, and cute image


Casei com Ana Laura em 2011, mas havia a conhecido na rodoviária em 2008 e desde então namorávamos. Felizmente ela foi a minha primeira, o que me fez querer-lhe cada vez mais. Tomei a decisão de que faria dela a mãe dos meus filhos e a minha mulher. Decidido, não hesitei e abri mão dos amores do passado e logo propus nosso casamento em cartório para o fim do mês de agosto. Era mês de seu aniversário, assim comemoramos grandes datas juntos. Fizemos os votos e prometi-lhe que faríamos de tudo juntos para dar certo. Afinal, era o que eu sempre havia sonhado. Finalmente casado, eu nadava no tão conhecido mar de rosas. Para minha alegria após quatro meses, soubemos que ela estava grávida de uma menina. Apesar de surpresos, ela chorava de felicidade, ansiedade, enquanto eu sorria. Segurei em suas mãos e olhando em seus olhos garanti que daríamos conta juntos. Marisa nasceu amada como nenhuma outra da família, era a neta primogênita. Com casa e carro já financiados o orçamento da casa não andou tão bem e ela logo teve que trabalhar para também ajudar na renda para que pudéssemos dar conta de tudo. A vida mudou da água para o vinho. As noites eram em claro, eu acabei ganhando peso e ela já não me olhava como antes. Mesmo com um dia de trabalho cheio, quando eu tentava sair da rotina ela me dizia estar cansada demais. Já não mais havia tempo para nós dois e consequentemente não fazíamos mais amor. Eu compreendia e acreditava fielmente que seria apenas uma fase, afinal todos me diziam o quanto casamento era difícil. Ela acabou se tornando recepcionista de um hotel e sempre aparecia com presentes e um sorriso no rosto. Apesar da falta de tempo, entrei na academia e perdi alguns quilos, mas já não mais havia nada há muito tempo. Passamos a brigar constantemente e vi o meu sonho de um casamento duradouro apenas em minhas mãos. Em 11 de setembro de 2016 ela pediu divórcio e saiu no dia seguinte de casa com nossa filha. Esperou poucos meses e logo apareceu com outro alguém. O que eu mais temia em minha vida aconteceu: O fim de um sonho. De minha mulher e meu grande amor, se tornou apenas a mãe da minha filha e o que mais me dói é poder ter um fruto de um grande amor apenas aos finais de semana.
Ler Mais

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Amizade não serve.

Conheci Guilherme no colégio e desde então tem sido meu amigo. Sempre morou na rua de trás e sempre me deu força com a faculdade. Gostava da minha mãe e sempre por ela perguntava. Quando eu falava de qualquer cara,  ele logo tratava de mudar de assunto. Toda quinta as nove e quinze da noite após seu trabalho, ficávamos na calçada conversando. Antes disso eu logo tratava de fazer o café e afinar o violão. Eu acertava as notas e ele as letras. Brincávamos que seríamos dupla sertaneja em todo ano seguinte. Sempre pontual fazia meu fim do dia ser incrível e de quebra trazia uma torta de morango que me salvava nos dias de tpm. Todos diziam que ele me olhava de uma forma diferente, mas nunca quis acreditar. Até que esse dia chegou. Disse que não dava mais para guardar tanto sentimento e que já não sabia se era paixão ou se já havia se tornado amor. Que amava o meu cabelo cor de ouro e o meu sorriso. Surpresa, bati o martelo e disse que só o via como amigo. De fato, não queria que estragássemos a nossa amizade. Na semana seguinte preparei o café e o violão, mas ele não apareceu. Na terceira semana sumiu das redes sociais e não tive mais notícias. Na quarta, as vizinhas diziam-me não tê-lo visto mais. O que era amizade se tornou saudade. Vi aflorar um sentimento dentro do meu peito que eu jamais havia sentido. Borboletas passaram a habitar no meu estômago e eu logo queria ter seu abraço outra vez e sentir suas mãos firmes ao tentar aprender a tocar violão. Me vi apaixonada e dentro de um clichê de novela. Dia 16 de março numa quinta feira estava pronta para sair com as amigas para o barzinho no centro da cidade. Algo me segurou ali e eu só queria tê-lo ao meu lado. Pedi para as meninas irem até sua rua e o aguardei na porta de sua casa. Surpresa fiquei ao vê-lo com um novo corte de cabelo, assim como ele por ter-me visto. Abri meu coração e disse que já estava apaixonada. Guilherme logo sorriu e me roubou um beijo. Minhas mãos não mais estavam ocupadas pelo violão, mas sim com seu corpo. Não nos tornamos dupla sertaneja, mas nos tornamos a dupla mais apaixonada do bairro. Realmente, só amizade não servia.
Ler Mais

quarta-feira, 5 de abril de 2017

VOCÊ SÓ NÃO FICA.


Você só não tem vontade de ficar porque eu nunca soube mentir, Júlia. Talvez a verdade não te faça arrancar suspiros como as mentiras que ouvias antes de mim, mas ela é a coisa mais preciosa que carrego por aqui. Já estive onde se encontras. Já quis viver omissões que tirariam meu fôlego. Já troquei momentos meus por uma inverdade que aliviou a carência na semana de um término. Já estive com estranhas que dormiram ao meu lado com um nome falso e foram embora antes do sol nascer. Mas sinceramente, essa vida não deu para mim. Já conversei com lindas mulheres, mas as desprezei quando soube que as promessas que estavam me sendo dadas eram recebidas em mais três celulares no mesmo dia. Para não ter que fazer o mesmo ou ser quem tanto almejam ter, resolvi desapegar da falsidade, abraçar a verdade e ser eu. Não me adequei ao novo mundo. O que vês não tem máscara alguma. É realidade, é infinito, é decifrável e também imprevisível. Pense bem antes de ir. Você pode ficar e ver se se encontra nessa vida desajeitada, sem pretensões e repleta de sonhos. Só não espere que eu marque a sua vida deixando experiências negativas, como os outros idiotas que você se permitiu conhecer e se apaixonar.
Ler Mais

Persistia demais para darmos certo.

boy, body, and guy image
Eu persistia demais para darmos certo. Concluí que os opostos nunca se atraíram. Enquanto eu amava praia, ela fazia planos para ir à fazenda. Discordávamos de tudo e eu sempre tinha que aceitar seus gostos e caprichos visando não discutir ainda mais. Nas fotos estávamos sempre sorrindo e muitos me perguntavam quando íamos assumir o namoro e qual era o nosso segredo. Eu sorria e dizia que era amor, mas dentro de mim não havia vínculo com a verdade nas minhas palavras. Ela odiava dançar, enquanto eu não perdia uma apresentação de dança de salão. Quando conversávamos ela era básica demais e deixava nossa conversa morrer. Até parecia que não existia nada entre a gente. Logo procurava um filme para assistir e me dizia um até breve. Eu juro que me esforçava, mas já havia acabado há muito tempo. Quando nos víamos era uma conexão incrível, mas não passava disso. Eu me confundia e logo não sabia se ia embora ou se ficava. Enquanto eu pensava, sua fila já havia andado. Três meses depois começou um relacionamento com um cara que morava ao lado da fazenda do seu avô. Assumiram o namoro, postaram fotos e logo muitos vieram me perguntar o motivo do nosso fim. Novamente eu sorri e já com paz no coração tinha uma resposta real: Falta de amor e certamente incompatibilidade. A partir daquele momento eu havia tirado um peso das minhas costas e prometi de nunca mais me esforçar por ninguém em vão.
Ler Mais

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Esse alguém não será eu.

black and white, sonya esman, and drink image
Sempre dei os melhores conselhos para as minhas amigas, mas nunca soube o que fazer com a minha vida. Esse cliché é bem real e habita aqui dentro. Desde o meu segundo relacionamento nada mais deu certo. Confesso que perdi a fé no amor, nas fotos reveladas, no jantar surpresa na volta do trabalho e em tudo que me diziam. Os filmes me ensinaram a amar detalhes e a suspirar ao ver declarações, mas essa perspectiva nunca se encaixou bem com minha realidade. Para que entendas melhor, nunca consegui apelidar meus parceiros com nomes carinhosos, nem tampouco chamá-los de amor. Quando diziam que me amavam eu os abraçava forte e os dava um beijo, mas não replicava suas frases sentimentais. Eu também não conseguia mais os iludir prometendo noivado, casamento e uma família feliz. Eu já não mais bebia para esquecer a dor. Minhas músicas favoritas ainda eram de 2004 e eu não consegui gostar de outras. Se alguém tentasse me iludir, eu sorria, elogiava pela tentativa e caía fora. É que eu ja conhecia todas as formas, sabe? E você é diferente de todos eles. Me liga, se importa, quer uma casa, família e ser feliz, mas agora minhas prioridades são outras. Não posso mesmo te abraçar e fazer o que fazia com eles. Você merece alguém que supra suas expectativas e que lhe coloque pro alto. Que tire seus pés do chão e que lhe mate de amor. Alguém que ainda se emocione vendo filmes e que queira viver um. Agradeço por persistir, mas confesso que esse alguém que esperas não será eu. No momento eu quero escrever a minha própria história.
Ler Mais

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Tive coragem quando bebi.

boy, tumblr, and wesley tucker image
A todo momento eu me acovardei de ir atrás dela. Eu tinha saudade de nossos momentos e de como eu a fazia sorrir na frente dos desconhecidos com atitudes loucas. Ainda era quinta-feira mas eu resolvi me embriagar. Meu eu sóbrio não conseguiria chegar ao seu coração de tanto medo no próprio peito. Medo do futuro, medo dela me jogar fora outra vez e eu me arrepender de ter ido a lugar nenhum. Medo de não ser correspondido e ser categorizado através de suas palavras apenas como passatempo. Eu não estava muito preocupado se namoraríamos, se casaríamos ou o que quer que fosse. Pela primeira vez o presente havia me encantado e eu não queria mais saber do futuro. O tempo passou lá fora e ela sempre sorria quando me via. Beijei outras que nunca souberam o que fazer comigo, que não entendia meus espaços e silêncios. Eu não a amava, mas gostava. Gostava muito da sua voz, dos seus lábios, do seu rosto sem maquiagem e de suas unhas rasgando o meu corpo. Gostava do modo como seu sorriso se escancarava e de como ela era sincera. Havíamos acabado sem mais nem menos, mas aceitei. Aceitei e compreendi que poderia ser só aquilo, mas com passar dos meses meu coração se inquietou. Bebi bastante e resolvi ligar pra ela. Não lembro de todas as palavras, mas lembro bem de dizer tudo que estava preso há tempos. Terminei a ligação com um eu te amo e cerca de meia hora depois ela disse ter me buscado e ter me trazido para sua casa. Não sei como cheguei aqui, nem tampouco o que irá acontecer depois. Só sei que agora estamos juntos novamente e é tudo isso que importa agora.
Ler Mais

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2017

Me render a você.

turkey, sevgilim, and poyraz image

Já me decidi. Eu vou me render a você de uma vez por todas. Havia me rendido a quem ignorava minhas mensagens, mas foram tempos de adolescência que não queriam sair de mim. Decidi dar uma pausa, rejeitar quem viesse e me reorganizar. Eu precisava de um tempo só meu, sabe? Agora está tudo diferente. Eu estou mesmo feliz e já não sinto as más sensações que tanto me afetavam. Me rendi a ambientes mais silenciosos cujo pudesse ler olhares e ouvir corações sinceros. Ambientes que me fizessem dançar a batidas lentas e descansar na tranquilidade de quem estivesse por mim quando eu precisasse. Apesar de ser durona, não consegui me render as suas caras e bocas. O maior presente certamente é poder sorrir todos os dias ao lado de quem não se leva muito a sério. Não vou ousar te perder e vou me render de uma vez por todas as suas crises de riso, ao seu carinho, as suas loucuras, a você.
Ler Mais

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Talvez seja tarde demais.

boy, beach, and summer image
Pelas expressões da psicóloga tenho certeza que minha vida está uma real bagunça. Minha vida foi de mal a pior sem ela. Não tenho muitas notícias, mas sei que vive na casa de praia do pai e creio que deve lembrar de mim ao ver os ambulantes vendendo água de côco na orla. Na real eu amava cada detalhe do que possuíamos, mas acabava nem expressando tanto. Eu tinha medo de sentir mais e ela menos. De demonstrar demais e não ter reconhecimento. Me afundei nesse medo que era atrelado a minha baixa auto-estima. Eu era seu fotográfo e me orgulhava de todos os comentários que recebia por tê-la ao meu lado. Ela havia me dado chances, mas vacilei. Tínhamos a mesma idade mas ela sempre foi mais cabeça e mais madura. Como dizem: Mulheres amadurecem primeiro. Sempre concordei, mas nunca soube como acompanhar a sua perspicacidade. Não que eu fosse incapaz, mas deixei-me consumir pelo meu próprio medo. Enquanto ela tinha razões para ter ciúmes eu desconversava e dizia ser besteira. Aquele alguém que eu mantinha na reserva com medo de ser jogado fora, casou e mudou de cidade. Hoje completam três anos e já não sei mais o que fazer. Ela sempre esteve pronta, mas só hoje que eu me sinto. Me sinto pronto para ser dela e não guardar sentimento qualquer. Meu coração aperta e dói. Dói sem fim e eu só queria um recomeço, mas acho que deve ser tarde demais.

Ler Mais

sábado, 11 de fevereiro de 2017

O cara que me compreendeu.

love, couple, and hug image

Religiosamente aos sábados eu me sentia sozinha e logo martelava na cabeça a ideia de ter alguém ao meu lado. Nos outros dias da semana a rotina me levava e eu me tornava autossuficiente curtindo minha própria companhia. Quem não compreendia, sorria e me chamava de bipolar, mas não o cara que conheci no elevador do shopping a sete semanas. Num sábado eu resolvi sair de casa para comprar doces e acabei ficando presa no elevador com ele por dezessete minutos. Enquanto esperávamos a companhia para resolver o problema, ele descaradamente me pediu um chocolate e disse que deixaria mais para que eu comesse durante minha tpm. O achei abusado e dei um pedaço para ele sorrindo pela sua atitude. Logo perguntou meu nome e disse que não imaginava ter um encontro inusitado num elevador. Foram os dezessete minutos mais engraçados da minha vida. Ele fazia o tipo do galanteador-solteiro-destemido-descarado que também curtia a própria companhia. Parecia ser um cara legal e não os babacas que davam em cima de mim todos os dias no trabalho. Logo tirou uma garrafa de vinho de sua mochila e brindou o nosso encontro ao futuro. Me deixei cair na brincadeira e brindei nosso noivado, nossa casa e nosso futuro. Rimos bastante e rolou um beijo. Saímos de lá de mãos dadas e ele logo me convidou para terminar a garrafa de vinho em sua casa. Ao chegarmos ele ligou o som, começou a dançar meio desengonçado e logo me chamou também. Terminamos a garrafa de vinho e acabamos na cama. Eu que não esperava por nada agradeço ao acaso pelo meu coração estar bem acompanhado de alguém repleto de bom humor. Hoje não sei o que seria dos meus sábados e de toda a semana sem ele.

Ler Mais

Não fazia ideia de que me deixaria.

beach, black and white, and model image

Eu não fazia ideia de que ele me deixaria, mas assim fez. Antes de partir dividiu momentos mágicos com direito a filmes, séries, espumantes e com as tábuas de frios que eu tanto gosto. De tão surreal eu queria viver ali para sempre. Finalmente alguém simplesmente parou na minha vida e ficou sem pedir ou exigir mudanças minhas. Alguém que me tirava do sério e que eu arrastava para minha casa depois do trabalho. Como poderia não me entregar? Eu que sempre odiei cobranças o guardei no peito como inesquecível. Quando ele tinha que ir embora pro trabalho meu coração apertava e eu só queria o atrasar para que ficasse mais tempo comigo. Despertei o alarme diversas vezes mais cedo para preparar nosso café na cama e para ouvi-lo dizer: Bom dia, anjo. Quando finalmente eu estava entregue, me declarei e queria que déssemos um passo mais sério naquilo que tínhamos. De maneira direta disse-me que não estava pronto para assumir algo com alguém e que não podia tomar uma atitude inusitada assim. Confesso que me culpei por adiantar o que quer que tivéssemos e por criar milhares de expectativas. Não quis mais conversa comigo, trocou o numero do telefone e sumiu. Eu nunca soube o que queria e agora reclamo por ter recebido um lixo de insegurança no meu peito. O que tava bom demais, era incrível demais para se tornar realidade.
Ler Mais